sobre o swing

Sobre a Freedom

.

A Freedom Club BH foi criada com o intuito de aproximar os casais que desejam um ambiente para fazer novas amizades, apimentar o relacionamento e realizar fantasias.

Nossa casa será para vocês o florescer do potencial erótico, mas sem nenhum tipo de promiscuidade e prostituição. Buscamos sempre tornar sua noite divertida e animadíssima, através dos shows de striptease, festas temáticas, música ao vivo, entre outros entretenimentos.

Como nosso próprio nome diz, defendemos e apoiamos a bandeira da liberdade, repudiando qualquer forma de discriminação e preconceito. Liberdade esta que se reflete na escolha sexual de cada um. Sejam todos bem-vindos: heteroafetivos, homoafetivos, biafetivos, poliamor, etc, etc.

Muitos casais ainda têm dúvidas a respeito do funcionamento de uma casa de swing. Podemos afirmar que podem vir tranquilos, pois ninguém é obrigado a participar, a menos que esteja à vontade para isto.

Contamos uma estrutura ampla com muito requinte e bom gosto, ambientes minuciosamente decorados, atendimento diferenciado, discrição e segurança. A casa possui vários darkrooms (quartos escuros), labirinto com cabines para voyeurs (vidros para visualização) e outras cabines com glory holes (buracos para as mãos), vários ambientes temáticos com ar condicionado, scotch bar à céu aberto com teto retrátil, boate, cinema erótico, sala de sadomasoquismo e muito mais.

Venha curtir uma noite inesquecível na Freedom Club BH !!!

.

Sobre o Swing

.

Muitos casais se perguntam curiosos: O que é mesmo essa coisa de Swing!!!

Este não é só um tema interessantíssimo, como também uma oportunidade única de explicar principalmente aos casais liberais que ainda não conhecem o swing, mas também aos iniciantes. Falando o “português claro”, não são poucos aqueles que imaginam o swing como uma mera sacanagem, pura e simplesmente uma forma de “suruba”, e devem pensar também, aonde ninguém é de ninguém. Estão redondamente enganados todos os que pensam assim.

Muito longe disto, aliás o swing não tem nada a ver com isto. Swing é uma opção de prazer consciente e consentida, que só satisfaz plenamente aqueles que formam verdadeiramente um casal, sejam eles casados efetivamente, noivos, namorados de algum tempo, ou até amantes constantes e cúmplices entre si. Mas porquê? Imagine-se numa situação destas que povoam o imaginário (a coisa da sacanagem pura e simples) em que você esteja acompanhado de alguém que não lhe diz nada, que para você não tem valor algum enquanto relacionamento. O que é que você vai usufruir? Apenas tesão e orgasmo, nada além disto.

.

O Swing é muito, mas muito mais do que isto. Ele evolui entre os casais ao longo de OITO FASES, que você verá a seguir:

.

Fase 1 – Descobrindo a cumplicidade

Um casal de verdade, seja lá de que tipo for, no dia-a-dia da convivência, vai aos poucos descobrindo formas de se curtirem, de vivenciarem os prazeres da sedução, da sensualidade e do sexo, da cumplicidade e da lealdade. Aquela pessoa é seu par, com quem (e ao lado de quem) você decidiu viver todas as formas de amor e plenitude de satisfação. Isto vai estabelecendo entre os dois laços fortes e sólidos.

.

Fase 2 – Alimentando as fantasias

.

Havendo estes laços, inicia-se a fase das fantasias. Muitos casais começam por alimentar fantasias quando estão se amando e uma das mais comuns é “imaginarem-se” com uma outra ou mais pessoas. É saudável, é gostoso e reforça mais e mais os laços entre o casal. Nesta fase vai se “evaporando” todo tipo de insegurança e os dois começam a perceber que são desejados naturalmente por outras pessoas e da mesma forma desejam outras pessoas.

.

Fase 3 – Curtindo o voyeurismo

.

Havendo cumplicidade verdadeira e o acalentar de fantasias inicia-se a fase voyeur, no exato momento que você abre os olhos para as pessoas ao seu redor com a cumplicidade e o incentivo de sua cara-metade, pois ambos sabem que não perderão um ao outro; ao contrário, seus momentos de intimidade agora são povoados pelas pequenas situações excitantes do cotidiano. A fase voyeur se expande até o ponto em que ambos descobrem uma excitação enorme diante da possibilidade de “ver” outras pessoas em situações sensuais. É aí que pinta a vontade de conhecer uma casa noturna, digamos… mais liberal, “mas só para ver como é que é”, este é sempre o primeiro trato.

.

Fase 4 – Indo às nuvens

.

Acreditem, entrar pela primeira vez numa casa noturna para casais liberais resulta numa sensação simplesmente maravilhosa quando se está junto de quem se ama. O seu lado voyeur vai às nuvens, a libido faz você subir pelas paredes. Neste momento vocês ficam ligados apenas no tesão de “ver” os outros casais e voltam para casa se “catando” já no carro; fazem amor pelo resto da madrugada e pelo dia seguinte inteiro. Depois vão conversar e descobrir que gostaram; que se pode estar junto de pessoas deliciosas sem perder nenhum “pedaço”, seja do corpo, bem como do relacionamento, que se fortalece tal como a uma rocha.

.

Fase 5 – Os fetiches do exibicionismo

.

Depois que “descobrem” algumas das muitas possibilidades de prazer e cumplicidade que decorrem desta nova visão mais liberal, os casais iniciantes então voltam pela segunda vez, pela terceira; vão a outras casas do gênero, comparam ambientes, atendimento, segurança, freqüência, etc., até que “pegam gosto” pela coisa e começam a se “produzir” para estes momentos. Roupas mais sedutoras, uma maquiagem mais caprichada, sapatos delicados e sensuais, decotes reveladores, transparências de todo tipo e por aí vai. Eis aí uma nova fase: a do prazer que vem do exibicionismo.

.

Fase 6 – Consentindo e compartilhando

.

Dá-se quando vocês entram na fase dos toques, carícias e beijos mutuamente consentidos. Sim, é isto mesmo, você tem a opção de dizer “não” e vai ser respeitado(a); insistir nem pensar, é até falta de educação. Nesta nova fase, ambos curtem o prazer incomensurável de tocar e serem tocados por outros casais, num clima maduro de cumplicidade e confiança. As primeiras carícias consentidas, creiam: são inesquecíveis; porquê o seu par está ali ao seu lado, muitas vezes até te incentivando e compartilhando o prazer de ver você tal como ambos imaginavam lá atrás na fase das fantasias.

.

Fase 7 – Crises que consolidam a cumplicidade

.

É de se esperar que num momento aqui e outro ali um casal iniciante se veja diante de uma súbita crise de insegurança, temor ou fragilidade. Na verdade, é que às vezes bate aquele “medão” de “perder” a sua cara metade para um outro alguém que “você” tenha achado mais desejável do que você mesmo. É quando o casal “senta para resolver a relação”. Quando se amam e se desejam de verdade e sabem porque escolheram um ao outro, certamente descobrem conversando que estes medos não infundados. Então, sempre acabam renovando seus laços de cumplicidade, tornado-os absolutos. Crises? Não se iluda, você vai ter as tuas! Não há um único casal liberal que não tenha passado por isto.

.

Fase 8 – Usufruindo cada um dos prazeres da cumplicidade

.

Daí por diante, abre-se uma avenida ampla e iluminada, pela qual transitam os desejos de ambos, a cumplicidade plena. Você começa a fazer amigos na noite liberal, saem juntos para outros programas tipo jantar, dançar, viajar, receber e visitar. Tudo debaixo de um código rígido e tácito de mútua cumplicidade e sigilo estrito. Ganham então segurança absoluta e passam a freqüentar com alguma constância as melhores casas do gênero, aonde esperam ser sempre muito bem recebidos, respeitados e atendidos, além de poderem se sentir seguros e satisfeitos de estar lá. Mas, mais do que isto: descobrem que merecem ter sempre o melhor, nada menos que isto. É quando seu nível de exigência já se refinou a ponto de, naturalmente, passarem a selecionar criteriosamente os lugares que vão freqüentar mais assiduamente, não aceitando nada menos que um clube idealizado para sua diversão, lazer, prazer e satisfação absoluta, por isso, lembre-se sempre, esta é a Freedom Club BH.

.

Venha se divertir e apimentar seu relacionamento na Freedom !!!

Freedom - Todos os direitos reservados